logo
Century21 Portugal


O valor mediano de avaliação bancária na habitação foi 1 560 euros por metro quadrado em Fevereiro, mais 10 euros (0,6%) que o observado no mês anterior. Em termos homólogos, a taxa de variação fixou-se em 5,5% (4,4% em Janeiro de 2024). Refira-se que o número de avaliações bancárias foi cerca de 28,3 mil, o que representa uma descida de 2,0% face ao período anterior e um aumento de 39,4% em termos homólogos, avança hoje o INE.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística – INE, a Região Autónoma dos Açores apresentou o aumento mais expressivo face ao mês anterior (2,6%), tendo as restantes regiões registado variações positivas com exceção da Região Autónoma da Madeira, que apresentou uma variação nula. Em comparação com fevereiro de 2023, o valor mediano das avaliações cresceu 5,5%, observando-se a variação mais intensa na Região Autónoma da Madeira (19,1%), não se tendo verificado qualquer descida.

No mês em análise, o valor mediano de avaliação bancária de apartamentos foi 1 741 euros/m2, tendo aumentado 4,8% relativamente a Fevereiro de 2023. Os valores mais elevados foram observados na Grande Lisboa (2 319 euros/m2) e no Algarve (2 096 euros/m2), tendo o Centro registado o valor mais baixo (1 162 euros/m2). A Região Autónoma da Madeira apresentou o crescimento homólogo mais expressivo (19,6%) e o Algarve o menor face ao mesmo período do ano anterior (0,7%). 

Comparativamente com o mês de Janeiro, o valor de avaliação subiu 0,9%, registando a Região Autónoma dos Açores a maior subida (8,6%) e a Região Autónoma da Madeira a menor (0,4%). O valor mediano da avaliação para apartamentos T2 subiu 6 euros, para 1 776 euros/m2, tendo os T3 subido 22 euros, para 1 548 euros/m2. No seu conjunto, estas tipologias representaram 79,9% das avaliações de apartamentos realizadas no período em análise.

Já o valor mediano da avaliação bancária das moradias foi de 1 230 euros/m2 em Fevereiro de 2024, o que representa um acréscimo de 7,2% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Os valores mais elevados observaram-se no Algarve (2 218 euros/m2) e na Grande Lisboa (2 185 euros/m2), tendo o Centro e o Alentejo

registado os valores mais baixos (952 euros/m2 e 1 040 euros/m2, respetivamente). A Região Autónoma da Madeira apresentou o maior crescimento homólogo (15,1%), tendo-se registado o menor na Grande Lisboa (2,6%). 

Comparativamente com o mês anterior, o valor de avaliação subiu 0,7%. O Algarve apresentou o crescimento mais elevado (3,7%), ocorrendo a descida mais acentuada na Grande Lisboa (-0,4%). O valor mediano das moradias T2 subiu 15 euros, para 1 208 euros/m2, tendo as tipologias T3 subido 9 euros, para 1 221 euros/m2, e as T4 11 euros, para 1 264 euros/m2. No seu conjunto, estas tipologias representaram 89,5% das avaliações de moradias realizadas no período em análise.

De acordo com o Índice do valor mediano de avaliação bancária, em fevereiro de 2024, a Grande Lisboa, o Algarve, a Região Autónoma da Madeira, a Península de Setúbal e o Alentejo Litoral apresentaram valores de avaliação 47,4%, 35,8%, 14,6%, 13,3% e 12,3%, respectivamente,superiores à mediana do país. Beiras e Serra da Estrela, Alto Alentejo e Alto Tâmega e Barroso foram as regiões que apresentaram valores mais baixos em relação à mediana do país (-46,8%, -46,2% e -45,1% respectivamente).

Número de avaliações bancárias aumentaram

Para o apuramento do valor mediano de avaliação bancária de Fevereiro, foram consideradas 28 315 avaliações (18 011 apartamentos e 10 304 moradias), mais 39,4% que no mesmo período de 2023 (redução de 32,4% em fevereiro de 2023). Em comparação com o período anterior, realizaram-se menos 582 avaliações bancárias, o que corresponde a um decréscimo de 2,0%.

joaobandarra@mixandblend.net'

Deixe um comentário

*