logo
Century21 Portugal


 

mercado imobiliario Portugal

Para a Century 21 Portugal, são vários os factores que irão influenciar o sector imobiliário em 2016. Temas como a reabilitação, o crédito à habitação, a procura internacional, a tecnologia e a crescente profissionalização do mercado imobiliário serão determinantes para enfrentar os desafios futuros desta área de actividade.

O mercado imobiliário residencial continua numa fase de estabilização e consolidação. Em 2016 é expectável que o número de transações de venda continue a aumentar, de forma progressiva, embora a um ritmo inferior ao registado em 2015. Se nas zonas onde se concentra a procura internacional antecipamos uma pressão de subida dos preços, nos restantes mercados, acreditamos que não haverá ainda espaço para um aumento do valor médio dos imóveis, tendo em conta o poder de compra dos portugueses.

De acordo com os nossos indicadores, a procura internacional continuará a crescer, sobretudo nas zonas de costa, em Lisboa, Porto, Douro e Alentejo, porém, este segmento não impacta todo o território nacional de igual forma.

O verdadeiro motor do mercado imobiliário residencial são os portugueses e, neste aspecto, a estratégia da banca e a respectiva política de atribuição de crédito à habitação irão ser determinantes para a evolução do mercado. Por isso é fundamental prudência e atenção aos indicadores macroeconómicos, como a taxa de desemprego e rendimento disponível das famílias portuguesas, bem como a sua capacidade de aceder ao crédito à habitação.

Outro aspecto importante do mercado imobiliário passa pelo facto de, em termos de oferta, existir uma clara necessidade de obra nova e de soluções ajustadas à actual procura do mercado nacional e internacional, sobretudo nos centros das cidades e nas zonas de costa. Neste sentido, a reabilitação urbana terá um papel chave na dinamização da oferta imobiliária residencial.

O que aprendemos nos últimos dez anos

Foi há pouco mais de dez anos que iniciamos a operação Century 21 no mercado nacional. Uma década depois estamos não só em Portugal, mas também em Cabo Verde e Espanha a desenvolver a rede imobiliária Century 21.Nestes dez anos tenho acompanhado de perto o desenvolvimento desta profissão, a nível mundial, sobretudo nos EUA, Portugal, México, Australia, França e em Espanha.

No mercado português, há 10 anos atrás, apesar de existirem algumas marcas internacionais e nacionais de mediação imobiliária, o sector era caracterizada por uma multiplicidade de pequenas e micro empresas, sem estrutura e pouco profissionalizadas. Hoje, em Portugal, existem três marcas internacionais que predominam no mercado residencial, uma única associação do sector, uma regulamentação nacional e estes factores têm permitido uma crescente profissionalização e credibilização da nossa profissão.

Nestes 10 anos a tecnologia mudou as regras principais no sector imobiliário. O Google democratizou o acesso à informação. O agente deixou de ser o guardião da informação imobiliária local e passou a ser o especialista local, que acompanha e ajuda a compreender e decifrar a informação disponível, para que o cliente possa fazer um bom negócio imobiliário.

Também as redes sociais, como o Facebook e o Twitter, vieram alterar, drasticamente, a forma como comunicamos e nos relacionamos com outros agentes imobiliários, clientes, amigos e com o nosso círculo de influência. Os famosos telefones inteligentes- que são autênticos computadores de bolso- vieram revolucionar a nossa profissão. Claro que estes dispositivos permitem encontrar informação e entrar em contato com os clientes de uma forma mais fácil do que nunca. Mas também mudaram as expectativas do cliente. É verdade que o trabalho dos agentes imobiliários nunca foi um negócio das nove às cinco, porém, os agentes imobiliários estão ainda a aprender a lidar com as novas regras 24h-7, num mundo onde a palavra de ordem é a mobilidade.

O YouTube e todas as novas tecnologias permitem-nos utilizar os vídeos, como nunca antes tinha sido possível, e estão a transformar a forma como promovemos os imóveis e como os nossos clientes procuram informação sobre o mercado e os imóveis.

As tecnologias de construção, partilha e integração de base de dados já permitiram a chegada da clássica MLS a Espanha, que proporciona agora uma maior cooperação entre agentes imobiliários. Portugal ainda tem este caminho para percorrer e esta deveria ser uma prioridade de todos os operadores do mercado para 2016.

Temos todos a responsabilidade de demonstrar ao mercado o valor acrescentado da nossa profissão para a economia nacional, bem como de colocar as pessoas e os clientes no centro da nossa operação. Através da partilha das boas práticas internacionais, com a adequada estrutura e capacidade de investimento para incorporar novas tecnologias, branding e competências de comunicação, poderemos ser profissionais cada vez melhor preparados, para enfrentar os desafios futuros do mercado imobiliário.

in Vida Imobiliária

Ricardo Sousa

https://www.linkedin.com/in/ricardomsousa

Twitter: @c21ricardo

Instagram: @c21ricardo

www.century21.pt

Fundador da Rede Imobiliária CENTURY 21 em Portugal e Espanha Trabalhar com Empreendedores Imobiliários para aumentar a sua quota de mercado e rentabilidade! Entrepreneur and creative mind. Traveler and wine love

Deixe um comentário

*

captcha *